domingo, novembro 30, 2008

Desculpas de miúdas...

Hoje acordei com esta história na cabeça...

Estávamos em pleno Agosto e eu devia ter uns 12 ou 13 anos. Naquele ano andávamos todos juntos, dois rapazes e quatro raparigas. Para além da praia, durante o dia, e das idas até à gelataria, à noite, adorávamos fazer longos passeios.
Um deles era ir até à "Barrinha", não a nova, criada artificialmente há uns anos, mas a antiga, que ainda ficava a uns bons quilómetros da minha casa.

Adorávamos! Levantávamo-nos, mal o sol despontava, vestíamos o biquini, a t-shirt por cima, um chapéu, e lá íamos, ao longo de umas belas horas, rindo, conversando,dando um mergulho quando o calor começava a aumentar.

Chegados lá, o espectáculo sobrepunha-se a tudo o resto. O Oceano e a Ria, num encontro selvagem e intenso. Nada mais. Ali, a pegada humana era praticamente nula.

Sentávamo-nos na areia, a descansar o corpo e alimentar a mente. Por vezes, íamos ao banho. Outras, os rapazes acabavam por encontrar zonas com muito berbigão e o problema era encontrar alguma coisa para o guardar.

Finalmente regressávamos,exaustos, mesmo na hora do calor e, sobretudo, famintos. Cada um seguia para sua casa e voltávamos a encontrar-nos bem mais à tarde, para ir novamente à praia, ou jogar às cartas.

No dia anterior ao passeio, percebi, entre conversas, que nenhuma delas estava com vontade de ir e o motivo era o mesmo que o meu. Menstruação. Caminhar durante horas, ao calor, naquelas condições, não era o mais adequado. Mas tínhamos vergonha de dizer aos rapazes, apesar de não nos lembrarmos de nenhuma desculpa plausível. Finalmente, resolvemos dizer a verdade, e porque não?

A conversa foi simples. Fomos ter com eles, meio encabuladas e dissemos que não podíamos ir no dia seguinte.
- Porquê?
- Estamos com o período. Ir ao sol até à Barrinha não faz sentido, não nos sentimos confortáveis.

Eles olharam os dois para nós,um ar estupefacto,e depois um para o outro. E a reacção foi exactamente a mesma.
- Vocês são mesmo estúpidas!
- Se não queriam ir, diziam que não queriam ir!
- Agora arranjarem essas desculpas de miúdas é mesmo mau.
- Deixem estar, vamos sozinhos.

E, rodando nos calcanhares, foram-se embora furiosos e deixaram-nos abismadas a olhar para eles!

Foto:http://flickr.com/photos/74448686@N00/2756745817

7 comentários:

Sayuri disse...

Estúpidos são eles! Nhurros!
:)

Sandra disse...

lol... é mesmo coisa de rapazes e dessas idades não se podia esperar muita compreensão numa coisa dessas.
Pois é, ai está algo que era sempre dificil e embaraçoso de explicar...

kaila disse...

Lita...
foi o meu coração até saltou!
Desde esses dias nunca mais fui á barrinha...

história eterna...

Ianita disse...

Isso é mesmo típico de rapazes!

Kisses :)

carol disse...

Adorei a história. Adorei a reacção dos rapazes.
Pelo que me vou apercebendo, deves ter tido uma infância fantástica. Não há nada como uma infância feliz.
Beijinhos

Lita disse...

Sayuri, que te dizer... eram... rapazes... lol

Sandra, foi muito embaraçoso... e completamente desnecessário!!!

Kaila, you've been there... you know...

Ianita, pois é... mesmo típico.

Carol, nós não adorámos tanto a reacção dos rapazes na altura,mas hoje damos umas boas gargalhadas, à conta dessas aventuras. E sim, uma infância fantástica conta muito!!! :)

bisturi disse...

Tenho saudades desses dias de verão.

De manhã, arrastar-me sonolenta até à praia.. Ir até à barrinha.. Dar uma banhoca.. Dormitar ao sol.

Voltar, encher o pandulho, dormir a sesta.

De tarde, voltar à praia.. Dar uma banhoca.. Dormitar ao sol.. Ver o pôr do sol.. Voltar para encher o pandulho e passear na rua com o calor nocturno do verão...

Tenho saudades...!