terça-feira, novembro 18, 2008

Noite

Pouco dormi.
Acordei pelos pequenos toques, que raramente me despertam. Acordei com a preocupação de me dirigir até ela, colocar-lhe a mão na testa e verificar se ainda está com febre. Acordei porque "mamã, tenho sede", ou porque "me dói a barriga", ou porque "não consigo dormir."

Às vezes a noite prega-me partidas, com algumas horas de vigília. Nessas alturas, reflicto sobre tudo e mais alguma coisa, levanto-me para comer, inevitavelmente, acendo o candeeiro e pego no livro da cabeceira. O sono chega por si mesmo. Não é trágico.

Esta noite, porém, a insónia carregava preocupações a mais, pensamentos a mais, frio a mais. Era pesada. Devia ter acendido a luz. O livro estava mesmo ali, a 60 páginas de terminar. Não me devia ter permitido carregar a noite, ao longo do dia...

7 comentários:

Ianita disse...

E a febre? Passou?

kisses

kaila disse...

detesto ESSAS insónias...

Lita disse...

Ianita, sim, passou...:)

Kaila, somos duas...

Nelson Alexandre Soares disse...

Pobre de ti... =/


Insónias é do que pior pode haver... Quando as tenho fico irritadísssimo e inquieto. É horrível... Nessas alturas até as paredes são culpadas... xD


Mas gostei que as insónias se deem sobretudo devida a uma preocupação dessas. É admirável... =)


Stay Well

Lita disse...

É verdade... insónias são mesmo sinal de mau-humor! :)

Mas acho que o nosso ADN está preparado para não dormirmos, quando os filhos estão doentes. É indescritível...
:)

Mi disse...

Carregar a noite ao longo do dia é que me parece trágico... O dia é especialmente para a alegria e frescura!
Espero que, ao menos, tenha sido tudo de uma vez e esta noite seja uma noite descansada.

Um melhor descanso que ontem!

Lita disse...

Obrigada. Também estou à espera dele!