quinta-feira, dezembro 24, 2009

Desejos...


... de um Natal mágico para todos!!

quarta-feira, dezembro 16, 2009

Via formal...

Pela primeira vez desde que te conheci, o dia passou-me ao lado, no meio de fraldas, horas de amamentação e a confusão em que a minha casa se tornou desde que a pipoca mais nova chegou. De qualquer modo, agradeço a mensagem, a gargalhada que dei à custa dela, e a tua generosidade e bom humor.

Assim, cá vai, desta vez formalmente ;)

PARABÉNS ATRASADOS, PAULINHO!!!!!!

terça-feira, novembro 17, 2009

Luana




Olá!

O meu nome é Luana e nasci numa sexta-feira 13. Uns diriam que é um dia de azar, mas a verdade é que a mamã sempre adorou esses dias e, apesar de ter sido uma cesariana, a verdade é que cá em casa ninguém acredita em coincidências.

Ao que parece, sou escorpião. Dizem as más línguas que é um signo que trás mau feitio, mas não concordo nada. A verdade é que comecei a berrar como se não houvesse amanhã assim que nasci, que não suporto sentir uma pontada de frio na minha delicada pele e que odeio tomar banho, mas parecem-me comportamentos perfeitamente adequados para um bebé, não concordam? Não tenho culpa que a minha irmã mais velha fosse uma santa que pouco chorava em bebé, adorava banho e mudar a fralda... se eu tivesse nascido em Maio, num dia de calor fenomenal também o faria, obviamente! Eu sou assertiva, essa é a verdade. E a mãe concorda comigo. De qualquer modo, numa casa cheia de pessoas de ar, um serzinho de água vai tornar as coisas bem mais interessantes. Aposto!

Sou muito pequenina, não chego a pesar 3 quilos, e tenho 48 centímetros. Por isso, pegam-me como se eu fosse uma boneca e as roupas ficam-me todas largas. Ah, e sou giríssima! Na maternidade ganhei o título de morena linda e acho que combina perfeitamente comigo. Há quem diga que sou a cara da mana quando nasceu. Não me importo nada, porque a minha irmã é um espanto! A minha irmã... vocês nem sabem como ela está orgulhosa pela minha existência. Canta para mim, já me pega ao colo com todo o cuidado e amor e sinto que vamos ser verdadeiramente cúmplices. Se ela fizer o que eu quero, obviamente... tenho de fazer render esta, do escorpião... ;)

A minha mãe está bem, um pouco dorida da cicatriz, claro, e agora às voltas com a subida do leite. Adoro mamar, sabem? E a mãe tem tanto leite que sinto que crescerei mesmo rapidamente! Isto de vir cá para fora tem o seu quê de divertido. É leitinho doce, canções, beijos e festas o tempo inteiro. Se não fosse o frio, diria que é perfeito. Como eu dizia, a minha mamã está bem, vê-se obviamente o quanto me adora, como está orgulhosa e feliz por eu ter nascido. E o meu papá está babado. Os dois estão muito unidos e sinto-me num clima de amor, que ainda está confuso, cada um está a tentar encontrar o seu lugar cá em casa, afinal só chegámos aqui há dois dias e na maternidade era mimo e descanso. Aqui tem sido mais agitado, mas vai correr bem, tenho a certeza.

Os meus pais acham que fui eu que os escolhi e sentem-se gratos e orgulhosos por isso. Eu cá terei as minhas razões, mas não as vou divulgar. Direi apenas que sei que estas pessoas me transmitirão muita coisa, umas que gostarei, outras que nem tanto. Mas com eles aprenderei a tentar ser uma boa pessoa, a amar os outros e amar a vida. Acho que são coisas que contam, não é?

Vou embora, por agora. Vim ocupar o espaço da mãe, porque sei que ela tem aqui pessoas que a lêem, e de quem ela gosta muito. Ao que parece os blogs têm esse efeito, quando os acompanhamos durante um tempo. Ela vai voltar a escrever mais, quando as coisas acalmarem e eu deixar de ser tudo o que importa, juntamente com a mana. Por falar nisso, este post também vai para o blog da mana... que vai deixar de ser só dela. A mana quer partilhar tudo comigo!

Resta dizer que nasci ao som da música que provavelmente estão a ouvir, pois coloquei-a aí em cima. Acho que isto diz tudo. Para esta família, eu sou uma oração, uma bênção e é isso que sinto cada vez que um deles me pega ao colo. Protecção divina! É bom ser bebé e sentir isso.

Até à próxima! Obrigado pelo apoio, em todos estes meses de gestação!

PS: Obrigada muito pelo apoio, pelas centenas de mensagens de alegria e boas vindas à Luana, por me acompanharem com carinho e, basicamente, por existirem. Sinto-me abençoada! E muito grata. Lita

quinta-feira, novembro 05, 2009

Crazy...


A menos de 3 semanas do fim da gravidez, parece que a demência da prolactina (é um termo novo que aprendi ;) explica o esquecimento e afins das grávidas) está no seu expoente máximo.
Ontem consegui perder duas chaves de casa no curto espaço de atravessar a estrada para ir buscar a pipoca ao infantário. Acabei por encontrar ambas... no fundo da mala.
Vou ao quarto para ir buscar qualquer coisa, supostamente muito interessante, e quando lá chego não faço a mais pequena ideia do que fui lá fazer.
Hoje de manhã peguei no pacote de Ice-Tea, em vez do leite, e despejei-o para o fervedor, na intenção de o aquecer para dar o pequeno almoço à filhota!
É evidente que a família me ouve a rir às gargalhadas e já nem liga. Trocam ambos aquele olhar de quem pensa... "deixa lá, isto está quase a passar!"
De facto, gravidez não é doença... mas é qualquer coisa muito estranha! E, como costumo dizer, é um estado de imensa graça... para quem está de fora a observar!!!!
:D

segunda-feira, novembro 02, 2009

E será que é desta...?














... que chega o OUTONO?

domingo, outubro 25, 2009

Absolutely Brilliant

Isto anda a circular no facebook, mas merece destaque também aqui. Espero que se deliciem, como eu me deliciei. Excelente domingo, o primeiro do horário de Inverno!


sexta-feira, outubro 23, 2009

Hey!

Porque sei que é a tua essência. E esta, então, é intemporal, como nós.

E porque te amo muito, te desejo o melhor. Há amizades que não precisam de palavras, justificações, ou provas. Pura e simplesmente são!

Parabéns, querida Kayla!

Escolhas


Há muitos anos atrás, aprendi uma lição valiosa com uma grande amiga. Nessa altura, não a percebi com a consciência com que a entendo agora, mas mexeu comigo.
O D. era meu amigo de infância. Direi mesmo o meu amigo mais antigo, gatinhámos juntos, na rebentação das ondas da nossa praia.
Talvez por isso, habituei-me desde sempre à sua forma de ser. Meio arrogante, um pouco cruel, por vezes agressivo. Mulherengo. Muito instável. Nunca se sabia bem o que esperar dele. Sem dúvida, tinha o seu lado brilhante. Era inteligente, partilhava comigo um amor incondicional pela nossa praia, defendia-me dos outros e sei que nutria verdadeiramente afecto por mim. Por isso, "aturar" as sombras dele parecia-me algo natural, ele era família, e família não se escolhe.
A A. veio passar férias comigo na praia,quando tínhamos 17 anos. Muitas outras amigas já o tinham feito, e o D. a todas mostrara o seu lado sedutor, e pouco depois, o seu lado sombra egoísta. De uma forma ou de outra, as raparigas caiam-lhe todas nas mãos. Nunca percebi muito bem porque é que tantas mulheres interessantes se apaixonavam por aquele trinca espinhas convencido e mal educado, que nem bonito era. Mas acontecia. Ele era charmoso. E tinha um sorriso especial.
Como eu esperava já, o D. de imediato deu em cima da minha amiga. E, como eu esperava, ela cedeu. No entanto, ao contrário das outras, a A. não ficou impávida quando o D. começou a mostrar o seu lado arrogante. Respondia-lhe à letra, discutiu com ele e chegou a afastar-se. As discussões entre os dois aborreciam-me imenso e um dia confrontei-a:
-Mas porque te irritas tanto? - perguntei. - Ele é assim, não há nada a fazer. É a forma dele de ser!
- Isso não me interessa nada! - foi a resposta. - Ele pode ser como quiser, mas eu não tenho de aturar isso. Eu não tenho de levar com a porcaria de alguém, pura e simplesmente porque ela É assim.
Foi a primeira vez que me dei conta de que gostar do D. e aceitá-lo, não implicava aturá-lo. Nunca me tinha dado conta disso.
Guardei essa mensagem no coração, nunca sabendo muito bem como a pôr em prática. A verdade é que sou - dentro daquilo que consigo - uma pessoa politicamente correcta. Distingo - e orgulho-me disso - sinceridade de frontalidade. Porque posso ser sincera sem usar a minha agressividade retorcida para magoar gratuitamente alguém. E raramente faço.
Depois, também acredito que somos nós que atraímos as pessoas para a nossa vida. E que somos espelhos uns dos outros. Que vemos nos outros a nossa própria beleza e rejeitamos neles a nossa sombra. Quanto mais me fui dando conta disso, mais fácil foi para mim aceitar os outros. Perceber que os seus defeitos,também eu os tinha, em alguma coisa, alguma parte da minha vida. Aprender a ser melhor, graças a isso.
No entanto, há um momento para descansar e um momento para lutar. Um momento para passar a mão no pêlo, vezes e vezes sem conta... porque o outro é assim,não tem consciência do que faz... e um momento para dizer "chega!", um momento para dizer que não dá mais para tolerar a intolerância dos outros.
É evidente que os espelhos continuam lá. Claro que atraímos pessoas para a nossa vida porque temos coisas a aprender sobre nós mesmos. E esse trabalho só poderá ser feito por nós. Mas não implica manter lá os outros e tolerar aquilo que o nosso coração já não suporta.
Ontem, ouvi outra lição. A minha amiga Neptuna falava-me de alguém e dizia:
- Se lhe guardo ressentimento? Já não. Se aprendi a aceitá-lo? Sim. Se o quero na minha vida? Não. Porquê? Porque posso escolher.
Essa é a verdade. Aceitar que o outro é como é, aceitar a lição que nos trás, a pergunta "onde é que eu faço ISTO na minha vida?", é importante. Mas não implica envenenar a vida com a presença dessa pessoa. Posso aprender a aceitar. Posso não guardar qualquer emoção negativa. Mas não tenho de tolerar.
Porque posso Escolher!

sábado, outubro 10, 2009

(Re)Começos

A mensagem clara foi "Pára! Estás demasiado confusa, demasiado ocupada, demasiado zangada, demasiado eléctrica, demasiado longe de ti mesma."

Desde o início do ano que sentia que teria que o fazer. A vida é generosamente clara comigo, nessas alturas. Sou eu que adio o inevitável.

Ainda assim não foi fácil. Ser obrigada a parar, fechar-me em casa, não ver ninguém, praticamente, a não ser a minha família. Acabar por me isolar mais, por não já suportar as perguntas dos amigos, diariamente e sempre iguais "estás bem? Estás melhor? Sentes-te feliz?". Parece egoísmo, eu sei, e eu adoro os meus amigos e agradeço a sua preocupação, mas ter as janelas do msn constantemente a piscar com as mesmas perguntas, ou tentar dormir um bocadinho e colocar o telemóvel no silêncio, para acordar e ter 36 chamadas não atendidas, acreditem, é esgotante.

Alguns queixaram-se do meu desaparecimento súbito. Outros entenderam que eu precisava da reclusão e respeitaram-me com serenidade, pois conhecem bastante das minhas "caminhadas no deserto..."

Não tem sido propriamente fácil. As contracções, a placenta prévia, agora o diabetes gestacional. Sim, ainda estou em casa. Todos os dias luto comigo mesma para viver um momento de cada vez, para não me deixar levar pela insatisfação profunda. Nem sempre consigo.

No entanto, conforme chegou a fase de nicho, de comprar coisinhas para a bebé, de reorganizar a casa e a vida, a semente que adormecia em mim começou, também a despontar. A vontade de mudar coisas, de fazer coisas, de aprender coisas.

Como se o tempo de semente também estivesse a terminar e eu começasse a preparar-me para um novo ciclo. Como mãe e como ser humano. As ideias começam a chegar, a motivação também. A vontade de começar qualquer coisa, aprender mais um pouco de mim e do mundo. E isso faz-me sorrir ao acordar.

Um excelente fim de semana para todos.

quinta-feira, outubro 08, 2009

As pesquisas hilariantes...

Quem me visita por aqui sabe que tenho andado longe... pouco tenho escrito, pouco vos tenho visitado...

Estou de ninho, com outras coisas na mente e neste momento, aguardo ansiosamente a chegada da minha pequenina, daqui a um mês, mais coisa, menos coisa.

No entanto, e porque hoje estive mais presente, lembrei-me de procurar as buscas na net que vieram cá ter. O panorama mantém-se. Ao que parece, tudo o que diz respeito a homens - especialmente bonitos, vêm cá ter. Isto dura há meses, provavelmente desde um post com umas fotos de um grego giraço que foi considerado o homem mais bonito do mundo e que eu postei aqui.

Então vejamos a lista deste mês no que respeita às buscas de um jeitoso:
homem bonito
fotos de homem bonito
fotos de um homem
gajo bonito
homem com pés bonito ??????

E depois a coisa descamba completamente:
homem pau duro - como é que raios uma busca destas vem parar aqui????????????? É um enigma, mas que me valeu umas gargalhadas.

No entanto, o momento zen das buscas foi realmente este:

animal porquinho da índia menstruação
LOOOOOOL

Não só não consigo perceber ONDE, nos meus textos, existe alusão a tal frase... como nem sequer percebo o que é que uma coisa tem a ver com a outra... se alguém tiver teorias, faça favor!!!! Mais umas gargalhadas não nos fazem mal nenhum, certo? :)

Lugares comuns

Ao longo da nossa existência, existem locais, pessoas e momentos que nos marcam. Alguns desses, por um instante, outros para a vida toda.

Os nossos espaços sagrados têm mil e uma formas de ser. Existem locais selvagens, no meio da natureza, cuja presença nos tira o ar, nos quais a nossa alma se reverencia e se reconstroi. Existem outros locais, tão comuns que podemos passar por eles todos os dias, mas que para nós têm um valor inesgotável, que são nossos porque a eles pertencemos.

E existem aqueles que perdem a sua magnitude pura e simplesmente porque não os vemos. Porque aquilo que existe no nosso pequeno universo pessoal é um filme, cuja fita passa incessantemente, interminavelmente, com o mesmo guião. Os ambientes são os mesmos, as palavras as mesmas, as emoções... iguais. Os mesmos passos, cuidadosamente dados, da mesma forma. E as mesmas personagens, embora os actores possam mudar.

Para mim, esses são os verdadeiros lugares comuns, aqueles que parecem belos, lidos num romance épico pela primeira vez, mas que não passam de plágio medíocre, conforme os vamos revivendo, num círculo sem fim. A mim enjoam-me, confesso.

Gosto das minhas pessoas, cada uma com as suas especificidades, com memórias próprias e únicas, com locais só para elas e músicas que mas evocam como se as revivesse nesse instante. Respeito as minhas pessoas, os meus locais, as minhas memórias. E não quereria apagá-los, colocando outro actor a fazer o mesmo papel.

terça-feira, setembro 15, 2009

Um adeus para ele...

Foi o ídolo de quase todas as adolescentes da minha idade. Quem não se lembra da famosa cena de dança, repleta de sensualidade, ao som de Cry to Me, no filme Dirty Dancing? Ou das cenas junto de Demi Moore, em Ghost?

Ou, mais longínquo ainda, da serie North and South, onde era o charmoso Orry?

Patrick Swayze partiu esta madrugada, depois de uma árdua luta contra um cancro no pâncreas. Que esteja bem, onde quer se encontre. Muita luz para ele.

Deixo aqui um momento de dança com a mulher, há 15 anos atrás.

quarta-feira, setembro 09, 2009

E pela terceira vez este ano...

Mercúrio retrógado entre 7 e 29 de Setembro....

Para mais esclarecimentos ver posts anteriores referentes ao mesmo...

quarta-feira, setembro 02, 2009

Papá...

Mesmo que não fizesses anos hoje, alguém que é pai aos 18 anos e me atura ao longo de 34 já merecia isto....

Parabéns!

Amo-te muito!

segunda-feira, agosto 31, 2009

Nonsense, again...

Apoderou-se dela uma angustia letárgica, daquelas que quase não se sente, a não ser na alma. Havia uma tensão no ar, um receio que era praticamente uma certeza, como um ferro em fogo que acabaria por marcar, mais tarde ou mais cedo.

Não era um desgosto, uma suspresa, uma tristeza sem fim... esperava-o há tanto... quase que o desejara, pois que a imaginação é mais forte que a realidade, e não tem limites. Mas agora, que se aproximava, o seu corpo mantinha um pequeno ponto apertado no meio do peito, inclinado à esquerda, naquele local que chamamos de coração.

"Não é nada de mais. Tu própria já o viveste." - repetia, vezes e vezes se conta, sabendo que sim, que estava certa. Mas no íntimo, sabia que nada mais seria igual. Que o seu mundo de fantasia se recolheria cada vez mais à fantasia, sem escape de realidade, pois que esta só lhe trazia aquilo que nunca seria para ela.

Uma parte de si ficava feliz. O amor não é egoísta e queria, antes e mais, vê-lo bem, saber que as escolhas que fizera eram as melhores para ele. Isso bastaria por agora.

Havia porém a outra parte. A que se recolhia em silêncio. A que tinha uma vontade desmesurada de chorar, de se deixar quebrar em mil pedaços e perguntar à vida porque tivera de ser assim. Não o faria.

Viveria feliz, seguiria o seu rumo, concretizaria os seus sonhos... os seus outros sonhos... e no íntimo, haveria sempre aquela gota... aquele pedaço de si que pertencia à fantasia, e onde ele habitava o seu coração.

quarta-feira, agosto 26, 2009

Fase de ninho

Devo a longa ausência aqui ao canto, a uma fase que já não me lembrava, tendo em conta que a última foi há 5 anos atrás.
A Fase de Ninho.

Pois. Aqui a Lita, cujos dotes de dona de casa nunca foram grandemente desenvolvidos, nem por jeito, nem por vontade, agora deu-lhe para decorar, organizar, mudar, pintar, arrumar e tudo o que lhe vai dando na gana. As coisas começaram pela simples muda de vaso das plantas, e agora já vão no mudar as divisões da casa.

A verdade é que a coisa me tem dado alguma pica. E por isso, vou manter-me bastante atarefada... vou passando por aqui, para escrever qualquer coisinha, ou apenas para vos ler, o que é muito bom.
Até já!

PS: Ao que parece o meu post anterior foi invadido de comentários em chinês... o que não seria um problema, se eu os conseguisse ler...
Coloquei algumas frases no tradutor online e percebi que é publicidade. Comigo, não vão longe, só percebo inglês e vou arranhando francês e espanhol... logo.

sexta-feira, agosto 14, 2009

Falhas de equilíbrio...

Esta pintura magnífica é o aspecto da minha coxa, neste momento.

Ao que parece, a menina Lita ainda não se acostumou ao novo peso, ou sequer, ao novo centro de gravidade. Assim, ao tentar subir um banco fraquíssimo, de plástico - que comprei para a filhota e sempre serviu para mim - com o objectivo de chegar a uma prateleira... lembram-se de que eu meço pouco mais de um metro e meio????!!!

Pois, o bicho partiu-se e lá vem a Lita por ali abaixo. A coxa conseguiu acertar em todos os botões da máquina de lavar... uma proeza digna de um génio. Como se vê pela pintura fenomenal... agora já consigo mexer a coxa, o que não acontecia há uns dias...

Enfim, entre o esquecimento e o desastre, começo a ter medo de mim própria...

quinta-feira, agosto 13, 2009

Prémio

A minha amiga Andy ofereceu-me este belo prémio, que não é muito merecido, uma vez que tenho vindo aqui tão pouco, e os meus escritos andam instáveis, como eu...

De qualquer modo, agradeço muito. E deixo-o aqui, para todos vós. Beijos

quarta-feira, agosto 12, 2009

Estrelas cadentes


Sento-me no banco, junto à janela, com ela, tentando explicar de uma forma suficientemente mágica o que são estrelas cadentes... percebe perfeitamente, digo-lhe que não, daqui da cidade, com as luzes, talvez não consigamos ver estrelas cadentes, porque há muita luz...

Responde-me que não, que vai ver uma estrela cadente e, nesse instante, vemos as duas uma, brilhante, enorme, talvez uma das maiores que eu já vi, e ela formula e seu mágico desejo em voz alta... deixando-me o coração quente. O Universo continua a dar-lhe tudo o que pede e, ela e ele, continuam a ensinar-me lições importantíssimas.

Respiro a brisa fresca da noite, a primeira, depois deste dia em que destilei horas a fio... e sinto o Verão a invadir-me... sempre adorei o cheiro do verão ao cair das noite. Sou levada pelas memórias do tempo para uma altura em que era eu que tinha a idade dela e o meu pai agarrava numa manta de retalhos e levava-me com ele para a praia. Ali ficávamos, deitados, olhando o céu e sentindo o absoluto sobre nós. Era tão maravilhoso quanto assustador.

Mais tarde, em volta de uma fogueira, o grupo de adolescentes prometia que passaria a noite em claro para ver a chuva de estrelas. Depois de muito riso e chouriço assado no pão, a promessa começava a desvanecer-se. Nessas noites, nunca passei das duas da matina. O sono tornava-se mais forte e eu rumava a casa, que o frio não brinca na praia, mesmo em pleno verão...

Invade-me uma saudade profunda, saudade dos cheiros do verão, das ansiedades do verão, das noites mais escuras e das estrelas mais brilhantes. Só anos mais tarde, de namoro no meio do Alentejo percebi que há noites mais escuras do que as do meu canto, onde se avistam mil e uma estrelas. Mas essas noites não tinham os cheiros, a areia, a brisa, os risos e as lágrimas, e, como tal, ainda acredito que ali, no meio de um local onde pertenço, a noite é mais escura e as estrelas mais brilhantes...

Escuto os meus ritmos. Foi um ano atribulado e eu sabia que teria de parar e esperar a minha sombra, como o outro do provérbio árabe. Aceito. Espero, aguardo, semeio dentro da minha alma novas fontes, projectos, novas gargalhadas. É um tempo de viver um dia atrás do outro. Não há maior lição de aqui e agora, do que a maternidade. Aprendi isso com a pipoca e aprendo tudo novamente, como se fosse a primeira vez. Não há nada errado em reaprendermos lições importantes.

Dizem que o Mar está zangado comigo... não acredito. Quem conhece a minha alma, sabe de que matéria é que sou feita, aguarda... silenciosamente, e com a certeza de novos mergulhos, novos cheiros, novos desejos formulados em segredo. Não há cobrança para quem é feito da mesma essência.

Regresso às estrelas cadentes. Ouço-os ali, à janela. Sentem o verão e aguardam-me. O presente tem sempre coisas mágicas... como todos os instantes.

domingo, agosto 09, 2009

Musica ao... Domingo?

O meu habitual post de sábado, que nem sempre tem aparecido, graças às minhas hormonas instáveis, desta vez vem ao domingo. Isto porque ontem à noite encontrei esta pérola.

Enjoy!

sábado, agosto 01, 2009

Nota: desencontros

Porque é um blog para seguir uma história, que está a chegar ao fim, e porque preferimos que seja desta forma, resolvemos tornar o (Des)encontros ( contosdealgibeira.blogspot.com )privado. Convidámos os seguidores - que tinham mail no perfil - a terem acesso ao mesmo. No entanto, quem estiver a seguir a história, ou quiser fazê-lo, e não tiver sido convidado, peço que envie um mail para pequenospormenores@hotmail.com e eu tratarei do assunto com brevidade. Obrigada!

quinta-feira, julho 30, 2009

O que te inspira?

Inspira-me um sorriso sincero e aberto. Inspira-me uma canção que me toque a alma. Dançar pela manhã, com a música aos berros e completamente só. Dançar pela noite dentro. Cantar alto. Abraçar alguém com carinho, sentindo-lhe o bater do coração.

Inspira-me a luz do sol, quando nasce. O laranja do seu desaparecer, pela penumbra. O nascer da lua. O Por da lua. Inspira-me o mar, sob todas as suas formas. Um olhar cruzado, num qualquer momento, que faz parar o tempo.

Inspira-me um caderno por estrear. O cheiro das folhas de um livro. O sabor do chocolate. O cheiro do primeiro café da manhã. O cheiro da terra molhada, depois da chuva. O cheiro do Verão, no final do dia, quando a noite desperta.

Inspiram-me as gargalhadas da minha filha. Os seus bracinhos em volta do meu pescoço. A sua pele macia e dourada. A forma como ainda se ama sem limites.

Inspira-me um beijo carregado de paixão. Um grande amor. As memórias que guardo como tesouros. As memórias que não tenho, mas pressinto. Inspiram-me as minhas pessoas. E aquelas que ainda não conheci.

Inspira-me o amor quente, abrasador, e inclusivo. O bem-estar. O alinhamento comigo mesma. A serenidade dos momentos de sabedoria. A verdade. Inspira-me a vida. Inspira-me a gratidão profunda. Inspira-me a vida.

E ti, o que te inspira?

segunda-feira, julho 27, 2009

Quem és tu e o que fizeste à Lita?

Para quem levou a primeira gravidez sem ter tido um único desejo, ou ter enjoado qualquer comida, neste gravidez sinto-me um ET a experimentar pela primeira vez, os sabores do Planeta.
Ora vejamos:
- A Lita não grávida adora abóbora. Sopa com abóbora, creme de abóbora, doce de abóbora, abóbora cozida e assim por diante.
- A Lita grávida não suporta sequer o cheiro. A primeira vez que comeu sopa, depois de estar grávida, jogou-a toda fora, porque pôs na cabeça que havia um ingrediente estragado, apesar de toda a gente lhe dizer que a sopa estava óptima. Só à segunda ou terceira vez a ficar com náuseas devido ao cheiro da sopa, se apercebeu que era a "dita cuja" que a fazia sentir-se mal. Há 5 meses que não entra abóbora cá em casa.

- A Lita não grávida adora comidas condimentadas e estranhas.
- A Lita não grávida come tudo praticamente insosso. Se come um prato cozinhado de forma normal, não o consegue comer devido ao "excesso de sal".

- A Lita não grávida é super gulosa.
- A Lita não grávida também. LOL. Mas não consegue comer doces de supermercado porque são "estupidamente doces". Tudo para ela tem demasiado açúcar.

- A Lita não grávida gosta muito de fruta, mas não perde a cabeça por isso.
- A Lita grávida gosta de frutas específicas e é capaz de comer um quilo delas por dia, no mínimo.

- A Lita não grávida não é fã de leite, apesar de beber, de vez em quando.
- A Lita grávida adora leite e - mais estranho ainda - adora leite de soja!!!!

- A Lita não grávida adora caracóis.
- A Lita grávida comeu uma vez e soube-lhe bem, mas não voltou a ter vontade. Nem se lembra que existem...

- A Lita não grávida não gosta muito de carne. Evita-a e quando come, é a de aves, mas passa bem sem tocar em carne.
- A Lita grávida tem ataques de desejo de carnes vermelhas. Depois começa a comer e não lhes acha piada nenhuma....

Isto só pode significar uma coisa. Tornei-me uma estranha para mim própria. Onde é que eu ando, no meio desta complexa mistura hormonal????

domingo, julho 26, 2009

Please, do not disturb...

Estamos em sessão de bruxinhas...

sábado, julho 25, 2009

Musica ao Sábado


Regressamos, por agora - que isto anda instável em termos de posts - ao nosso post de fim de semana. Desta vez com uma das minhas preferidas de sempre, já a tinha cá postado no blog, há uns meses atrás. Mas, para mim é eterna, recorda-me paixões intensas, amizades eternas e mergulhos ao por-do-sol.

Um excelente fim de semana para uns. Maravilhosas férias para outros! Beijos!

sexta-feira, julho 24, 2009

Nonsense

Estava sentada no muro lateral, encostada à parede da casa antiga. Gostava de posicionar-se assim, como antigamente, fingir que o tempo não tinha passado e que aquele espaço lhe pertencia. Encostou a cabeça para trás e fechou os olhos. Ele não lhe saia da mente.

Quando estava acompanhada era mais fácil distrair-se dos pensamentos, esquecer-se de quem era e dos locais e pessoas aos quais a sua alma pertencia. Agora não. Estava triste. estava só. E não conseguia desligar-se.

Pegou no telemóvel, brincando com as teclas. Talvez pudesse ligar, convidar para um café. Porque era tão difícil? Porque pareceria errado, se o fazia com todas as outras pessoas?

Foi quando viu o carro. Branco, estacionado mesmo em frente a ela. No entanto, o condutor não a vira. O olhar dele dirigia-se para a frente da casa, tentando ver alguém lá dentro. Nas mãos, um enorme cacho de uvas pretas, que comia com agrado.

O coração disparou-se e ela sorriu. Foi como um sinal, pelo que o olhar dele encontrou-a. Saiu do carro. Caminhou até ela. Pela primeira vez, viu-os os traços da idade, nas pequenas rugas dos olhos, nas linhas marcadas do rosto. Trazia a barba por fazer, nada habitual nele, e parecia cansado. Não pensou. Abriu-lhe os braços. E ele correspondeu, envolvendo-a no seu corpo. Sentiu-lhe o cheiro, perto do pescoço. O tão amado cheiro. A curva onde o seu rosto se escondia. Sentiu mais do que desejo. Sentiu aquele afecto, aquele ternura impossível de explicar e soube que aquele sentimento lhe pertencia, não estava sujeita ao tempo e ao esquecimento, como as outras coisas da vida. Enquanto ela existisse, estaria ali. E, estranhamente, não se importava, desde que os braços dele a envolvessem assim, de vez em quando.

- Ia ligar-te. - sussurrou.
- Sério?
- Sim... para bebermos um café.
Afastou-se um pouco e sorriu.
- Hoje não pode ser.
Ela envolveu-lhe o querido rosto com as mãos.
- Mas estás aqui...
Acenou afirmativamente, tornando a abraçá-la.
- Estou. Estou aqui. Por agora, estou aqui...

quinta-feira, julho 16, 2009

Caminhos separados

Uma grande amiga minha, que admiro muito, pelo carácter excepcional, generosidade desmedida e excelente profissional que é, está neste momento na TV, a falar sobre o "divórcio, porque o amor acaba".

É um tema que me apaixona, que me toca profundamente, até porque conheci muitas pessoas - homens e mulheres - nessas situações. Na área profissional, também a maior parte das pessoas com quem trabalho trazem desafios nesse campo.

No caso das mulheres, a situação, por vezes, torna-se mais trágica, porque a reacção dos que estão em redor, família e amigos, é qualquer coisa do género:
"Separares-te? Porquê? Ele não te bate, não tem outra, é um bom homem..."

Que resposta se dá a isto? "O padeiro também?" A coisa é tão absurda quanto isso. Que motivos haverá para as pessoas se separarem se não se batem, nem se traem...? A mim parece-me que estes são apenas os motivos fáceis, aqueles que não nos põem em causa.

O que acontece quando acordamos e a sensação de absoluto ao lado da pessoa com quem acordamos já lá não está? Quando acaba o trabalho e o local para onde nos dirigimos já não é aquele que sentimos como lar? Quando o vazio emocional que nos preenche nos impede de nos acreditarmos melhores, de fazermos mais, de sorrirmos mais?

Será assim tão complicado aceitarmos que, por vezes, o amor acaba? Pode-se regá-lo, reacender a paixão, fazer uma segunda lua de mel. E, por vezes, dá certo. Outras, pura e simplesmente não dá.

E é necessário que se tenha a força de aceitar que o caminho a dois terminou ali. E que a felicidade, para um e para outro, segue outros trilhos. A dor da perda é muito pequena comparada ao prémio que espera lá fora. A liberdade, as infinitas possibilidades, a vida!

Coragem...?




The Key to Your Life is Courage



Anything good in your life comes from boldly confronting the darkness.

Illusions are dangerous, and you benefit from seeing the world as it truly is.

Anything bad in your life comes from sinking to the level of those around you.

Remember to lift people up, and refuse to participate in anything petty.

quarta-feira, julho 15, 2009

:(

A pipoca acabou de sair com os avós, para passar 10 dias de férias. Vai ser excelente para ela, poder ir para o campo, apanhar uns dias de praia, divertir-se e sair do ambiente habitual.

Como princesinha que é, apesar dos recentes 5 anos, levou 10 vestidos, um montão de camisolas, saias e calções, 5 pares de sapatos, TODAS as fitas de cabelo, vários ganchos e elásticos. Ah, e um frasco de perfume... lol. Sim, e 3 biquínis...

Ia felicíssima, cheia de ideias, com um sorriso de orelha a orelha.
Fico feliz por ela, vai ser a primeira vez que está tanto tempo longe de nós, mas também lhe vai fazer bem...

Quanto ao resto... estou devastada... cheia, cheia, cheia de...


E ela só saiu há 15 minutos...

terça-feira, julho 14, 2009

Desafio a "verde"

A Laidita publicou este desafio no blog dela e achei-lhe piada, pelo que decidi fazê-lo. A ideia é colocar a verde se já...

Te formaste na Faculdade

Fumaste cigarros

Ficaste inconsciente de bêbedo


Foste a todas as diversões de um parque

Coleccionaste algo mesmo idiota - se calhar até já o fiz, mas não me lembro...

Foste a um concerto de rock

Pescaste

Dançaste numa discoteca

Seguiste alguém no metro ou na rua porque o/a achaste interessante


Viste 4 filmes numa noite

Mentiste a alguém

Acabaram um namoro contigo

Alguém te encornou

Cheiraste cocaína

Baldaste-te a uma aula - quem, eu??????

Fumaste ganza

Estiveste num acidente de carro


Estiveste num tornado

Usaste drogas pesadas

Viste alguém morrer

Estiveste num funeral

Ardeste um bocado de cabelo

Correste numa maratona

Voltaste de uma saída com um buraco de cigarro na roupa

Tiveste os pais divorciados

Choraste até adormecer

Gastaste mais de 200€ num único dia

Voaste num avião

Engataste alguém

Foste engatado


Escreveste uma carta de dez páginas - uma só????

Fizeste ski

Velejaste

Cortaste uma parte do corpo propositadamente - furinho no dedo conta????

Tiveste um melhor amigo

Perdeste alguém que amavas

Roubaste algo de uma loja
- chocolates... e era muito pequenina...

Estiveste na prisão

Foste suspenso

Foste culpado por algo que não fizeste

Roubaste livros de uma livraria

Foste a outro país

Abandonaste a escola

Estiveste num hospital psiquiátrico - sim, mas estava a ter aulas.... conta????

Leste um livro do Harry Potter

Viste um filme do Harry Potter

Tiveste um diário online - como??????

Disparaste uma arma

Jogaste num casino

Participaste numa peça de escola


Foste despedido

Nadaste com golfinhos

Beijaste alguém do sexo oposto

Beijaste alguém do mesmo sexo

Escreveste um poema


Votaste no BB/Operação triunfo/Ídolos

Telefonaste para o Toca a ganhar

Leste mais de vinte livros num ano - num mês, também...

Amaste alguém que não podias ter


Ficaste confuso acerca da tua sexualidade

Usaste um livro de pintar depois dos 12 anos - ainda uso

Fizeste uma cirurgia Levaste pontos

Fartaste-te de esperar pelo metro/autocarro e apanhaste um táxi
- não consigo perceber o que é que isto tem de extraordinário... lol

Tiveste algum problema com álcool ou drogas

Participaste numa luta

Sofreste qualquer forma de abuso

Pintaste o cabelo


Fizeste uma tatuagem

Fizeste um piercing

Tiraste só notas 20

Estiveste entre os melhores alunos da escola

Foste mandado para um psicólogo - já me mandei a mim mesma para um...

Foste algemado

Conheceste alguém com HIV ou SIDA

Tiraste fotos com uma webcam


Começaste/ias começando um incêndio

Deste uma festa quando os pais não estavam em casa

Foste apanhado na alínea anterior

Fizeste amigos na net e conheceste-os ao vivo

Namoraste alguém conhecido na net

Fizeste várias tags como esta só para passar o tempo


Bom dia!

Este vídeo é conhecidíssimo, mas era exactamente aquilo que me apetecia postar hoje.
Beijos para todos.

sábado, julho 11, 2009

Silêncio

Uma semana sem net, adicionado à clausura fez-me estar forçadamente ausente. Na quarta lá consegui que me arranjassem a net, mas a verdade é que ao longo desse tempo dediquei-me um dos meus prazeres preferidos - ler! - o que levou a que pouco ligasse o computador, entretanto. O facto da filhota ter ficado os últimos dois dias comigo ajudou bastante... :)

É um exercício interessante, começar a viver sem algo que julgamos indispensável na nossa vida. Tem-me dado alguns momentos de introspecção. No entanto, e porque este espaço é, efectivamente, importante para mim, regresso com muitas saudades. E agora vou ler-vos. Até já.

segunda-feira, junho 29, 2009

Prémio


A Metade da Laranja ofereceu-me este prémio.
"O selo deste prémio foi criado a pensar nos blogs que demonstram talento, seja nas artes, nas letras, nas ciências, na poesia ou em qualquer outra área e que, com isso, enriquecem a blogosfera e a vida dos seus leitores."
Para mim, um blog é já um acto de criação, pelo que dedico este prémio a todos os que por aqui andam.
Beijinhos e boa semana.

sábado, junho 27, 2009

Música ao sábado!

Andamos na onda calminha.
Excelente fim de semana para todos!

sexta-feira, junho 26, 2009

Só para fazer a vontade...

... a quem veio ter a este blog com a busca no google

"Burro do Shrek sorrindo"

(não foste tu,pois não,Kailita?LOL)


Aqui fica:

Um amor?


A Im e a LP acham que o meu blog é um amor.
Agora a ideia é dizer quais as 5 pessoas mais importantes para nós, indicar 10 blogs merecedores do prémio e dizer quais as nossas séries favoritas.
Tudo tarefas complicadíssimas.
1º Eu não sou capaz de indicar 5 pessoas. Sou abençoada com seres que povoam a minha vida de alegria e gratidão e são eles que indico. A família,que tanto amo e está presente para o bom e para o mau, os amigos - aqueles, que aquecem o coração e os seres com quem me cruzo e que tanto me ensinam.
Os blogs... enfim, para não ser completamente quebra-regras,vou tentar indicar 10, apesar de achar um amor muitos, muitos mais.
Séries preferidas. Enfim, há muitas. Nos últimos tempos envolvi-me com:
Anatomia de Grey.
Brothers and Sisters.
Heroes.

Man in the mirror

Quer gostemos delas ou não, existem pessoas que pura e simplesmente existem. Existiam quando nascemos e uma parte de nós não imagina o dia em que deixem de habitar o planeta. Recordo-me bem do Thriller, mas foi o álbum BAD que povoou o início da minha adolescência.

Nessa altura gostava bastante dele. Depois deixei de ouvir e raramente pensava no Michael Jackson. Estranho acordar e descobrir que o cantor partiu ontem. Como todos nós, era um ser humano e não estava imune às suas circunstancias.

No entanto, não deixa de ser estranho. Muita luz, onde quer que se encontre.

quinta-feira, junho 25, 2009

Eu escolheria outro sabor, mas... serve!




You Are A Mint Chocolate Chip Ice Cream Girl



Creative. Expressive. Unique.

Dias de luz

Foi em 2004 que me certifiquei como facilitadora do método Louise Hay. Em 1999 dei comigo com um livro da autora e senti que, naquelas simples mensagens, havia qualquer coisa de tão universalmente real que a partir daí,se eu me tornasse consciente o suficiente dos meus pensamentos e acções, nada voltaria a ser igual. Daí a ter feito workshops e cursos de desenvolvimento pessoal baseados no método, foi um nada.

O passo seguinte foi natural. Eu queria passar aquela mensagem, dar um pouco daquilo a outras pessoas. E certifiquei-me. A minha filha estava com 3 meses na altura e a certificação eram 5 dias de retiro em Sintra. A cara-metade tirou férias e fomos os três. Recordo que,de 3 em 3 horas saía da sala para ir amamentar o meu rebento e que a pequenina estava presente quando recebemos os certificados. Ainda hoje me dizem que ela é a mais nova Hay Teacher de Portugal. E eu sorrio,porque sei que é verdade. Comecei a trabalhar pouco tempo depois nessa área. E a sentir uma realização e um crescimento aos quais sou grata até hoje.

Em 2005 fui convidada para fazer parte da equipa de certificação. Desta vez, a emoção de estar do outro lado,de transmitir àqueles seres o tanto que eu tinha aprendido foi uma emoção indescritível. Como se o universo me tivesse permitido retribuir tudo o que eu havia recebido.

Em 2006 voltei a ir. E em 2007. E 2008.

Este ano não fui. A gravidez de risco não mo permitiu. As minhas irmãs de luz partiram ontem para Sintra,para aquilo que nós chamamos os 5 dias abençoados do ano. No meu lugar foi uma das meninas que se formou três anos depois de mim,uma mulher de fibra, cheia de vontade de ser feliz. E desejei que vivesse nestes dias todas as bençaos que eu vivi ao longo daqueles anos.

Acordei esta manha com a seguinte mensagem das minhas companheiras de formação: "Bom dia,minha querida,aqui em Sintra o SOL brilha e nós revimos em cada raio a tua presença, a tua LUZ e AMOR. Estás aqui connosco. Abraço das irmãs de coração. Antónia e Isabel"

É bom despertar com lágrimas de alegria. Estou em casa, mas continuo a ser um ser muito abençoado. Obrigada, Antónia e Isabel, por mo recordarem.

Deixo aqui a música que mais me recordam esses dias.

quarta-feira, junho 24, 2009

Depois...

... de ter comido este ano mais cerejas do que nos últimos 34, viciei-me em...



... Pêssegos de Roer!!!!!

Novamente em casa

A semana passada tive de fazer uma amniocentese. Até aqui tudo bem, até porque os resultados foram bons e a coisa correu relativamente bem. Eis que no fim de semana começo a ter contracções... :(

Resultado:mais um mês em casa. Não é que não saiba bem descansar... o descansar forçado é que me aflige. Enfim, o que não tem remédio.
Agora é dedicar-me ao trabalho que posso fazer daqui, à leitura, escrita e colocar a minha lista de filmes em dia. Afinal, e sobre isso não há hesitações, a cria está MESMO em primeiro lugar.

Logo, é possível que volte a estar por aqui mais vezes do que nos últimos tempos.

Beijocas para todos e boa semana.

domingo, junho 21, 2009

It's a girl!

Desde que anunciei a minha gravidez ao mundo que as perguntas habituais se sucedem.
- Queres menino ou menina?
- Nao me faz diferença menino ou menina.

- Que nomes estao a pensar para o bebé?
- Ainda nao pensámos demasiado sobre isso. O nome virá até nós.

O que eu não esperava de todo era que,ao saber o sexo da criança, grande parte das pessoas a quem o referi tivesse uma atitude que não percebi e até me chocou.
- Oh... não faz mal. O que importa é que venha bem.
- Deixa lá, desde que tenha saúde é que importa.
- Pronto, pelo menos pode partilhar o quarto com a irmã.

E seguindo uma cadeia de frases infelizes e mal escolhidas, os comentários foram-se seguindo, como se o facto de eu vir a ter outra filha fosse um "second best", uma alternativa pobre a uma vida maravilhosa com um casalinho. Refiro que nem toda a gente teve esta atitude,como é evidente. Muita gente fez um enorme sorriso e preocupou-se bastante mais com a nossa alegria e o alívio por estar tudo bem, do que com o sexo da criança.

E eu pergunto. Mas porque raios é que a minha vida seria mais feliz por eu ter um casalinho? Onde é que está escrito que a vida ideal das pessoas e com crianças de ambos os sexos? Claro que sei que as pessoas não o dizem por mal, que se projectam naquilo que achavam que a nossa família gostaria que acontecesse. Estão erradas!

Para mim, ter uma filha ou um filho não faz a mínima diferença. Estou estupidamente feliz com a minha nova cria que ainda cresce no meu ventre. Porque os filhos arrancam-nos o coração do peito cada vez que nos olham, trazem-nos o êxtase a cada vez que nos beijam ou colocam os pequenos bracinhos à nossa volta.
E a aprendizagem que nos trazem,a cada dia que convivência com eles, não tem qualquer preço. E, definitivamente, não está escrita nos seus cromossomas sexuais.

E... muito honestamente? Não, não preferia ter um filho.

sábado, junho 20, 2009

Parabéns, Amor!

Nasceste a anunciar o Verão. E o karma é uma cena lixada, porque não consigo recordar ninguém que não te veja como um mensageiro de luz, alguém cujo coração é capaz de abraçar todos.

Eu sei que tu não te vês assim, e que - em muitas ocasiões - eu também não, ou não nos tivesse juntado o universo para nos redescobrirmos e aceitarmos nos olhos um do outro.

De qualquer forma, hoje quero apenas dar-te os parabéns, desejar-te aquilo que o teu coração anseia e, nas tua palavras, desejar que estes tenham sido os piores 35 anos da tua vida e que os próximos sejam imensamente melhores, e mais luminosos.

Amo-te muito!

sábado, junho 13, 2009

Musica ao Sábado

Eu sei que o sábado já vai tarde, mas ouvi isto na rádio e TIVE que vir postar.
Esta trás-me mil e uma memórias.:)
Continuação de bom fim de semana!

terça-feira, junho 09, 2009

Descanso

Para os que vão e para os que ficam. Para os que têm "férias" até domingo, ou para os que trabalham na sexta.

Vamos descansar. Aproveitar os dias. Ler um livro. Molhar os pés. Fazer uma caminhada. Aproveitar um pôr-do-sol. Dizer às pessoas que amamos o quanto as amamos. Comer um gelado numa esplanada. Ver aquele filme. Contar aquela história. Saborear aquela refeição.

Rir mais. Abraçar mais. Agradecer mais. Ouvir-nos mais. Fazer mais silêncio. Ser mais nós próprios. Amar mais.

Não importa. Fiquem ou vão, aquilo que vos desejo é esta sensação...



Excelentes feriados para todos...

Eu sou luz

O Lopes ofereceu-me este lindíssimo prémio.

Eu sou luz e quero Iluminar cada pedaço do meu caminho e daqueles com quem me cruzo, assim como ser iluminada por cada sopro de luz dos seres que povoam a minha vida.

As regras criadas por quem começou a corrente são estas:
1) Completar a frase "Eu sou Luz e quero Iluminar..."
2) Deixar um aviso de recepção a quem enviou o prémio.
3) Passar o selo a cinco blogues que consideremos blogues de luz

Lopes:
Obrigada pelo prémio magnífico e pela mensagem nele implícita, apesar de te poder dizer que, ao longo do percurso, na maioria das vezes, é a tua luz que me sustenta!

Quanto à terceira parte, passo o prémio a todos aqueles que anseiam, no fundo do coração, ter e ser mais luz para si e para os outros. É vosso!

segunda-feira, junho 08, 2009

Amigos

A S. casou ontem. Conhecemo-la desde 1993, ano em que nos juntámos da Faculdade e não nos conseguimos mais separar. Somos um grupito relativamente grande. Ontem, não estávamos todos e ocupávamos uma mesa de 10 lugares. Alguns já acompanhados e, no meu caso, com filhos. Observo-os, mais velhos, maduros, mais sofisticados, mas absolutamente iguais na essência. As piadas que tomam o mesmo sabor, as mesmas gargalhadas, a alegria pela dança.

Olho em volta e sinto-os. A todos. Por alguns tenho mais proximidade, com outros divirto-me mais,outros ainda,possuem os mesmos interesses do que eu, o que faz com que tenhamos conversas paralelas, no meio das outras.

Não estou com eles todos os dias. Ainda assim, são amigos. Que não mentem, não fingem. Amigos que estão lá quando preciso, que sabem guardar segredos, que não julgam, apesar de poder não fazer as mesmas escolhas. Amigos que sempre o serão. Porque os amigos estão lá. Mesmo. Não precisam de apregoar que o são. São-no, simplesmente. Há um calor grande no peito, uma segurança forte, quando estou com eles.

Num jogo, fomos voluntários para tirar um cartão. Dizia: agora, terão de fazer um discurso para a S. e para o R.

Rapidamente apareceram os papeis, os que a Sayuri já tinha imprimido,para os que não sabiam a letra. Iríamos cantá-la, de qualquer forma. Eles cantaram-na no meu casamento, e agora foi a vez da S. Iremos canta-la em todos os casamentos do grupinho. Porque somos nós. Faz de nós quem somos.

É bom fazer parte de vocês.

sábado, junho 06, 2009

Musica ao Sábado



Apesar da fraca imagem, não resisti.
Lembram-se disto?
Bom fim de semana!!!


sexta-feira, junho 05, 2009

Outro prémio

A Andy ofereceu-me este selo violeta.
Este selo representa as sensações que a cor violeta traz para a nossa mente. É atribuído a blogues que nos lembram algumas das sensações da cor violeta: magia, encanto, graciosidade, magnetismo e tudo aquilo que parece mágico.

Regras: Exibi-lo no blog, explicar as regras do mesmo, nomear os premiados para esta categoria, avisá-los de seguida.

Passo a todos vocês, porque me faz sentido.

quinta-feira, junho 04, 2009

Saudade???

Apoderou-se dela aquele sentimento, meio de aperto, meio de felicidade contida... e tudo o que queria era o cheiro da maresia quando começa a baixar, a brisa do anoitecer numa tarde de calor, o caminho silencioso dos raros momentos em que sabe onde colocar os pés... qual o seu trilho.

Aquele sentimento que, com alegria ou tristeza, não conseguiria ser quem é,sem a bagagem do tempo, o riso de infância, o Croco Fleuri, a viola na qual aprendera quatro acordes e que lhe davam para uma lista de mais de 15 canções, não é que as músicas dos anos 60 tem todas os mesmos acordes?

Sem a janela da cozinha, onde acordava de manha com o som de Bob Marley do vizinho, de gostos eclécticos, que passava em seguida para Alice Cooper e finalmente para Eric Clapton. O mesmo vizinho que, apesar de magrelas como um esparguete, se colocava estrategicamente em frente à mesma janela,de cueca branca,a escolher a roupa, enquanto ela e as amigas riam da visão. A verdade é que o tipo se vestia bem, e depois de se banhar em Axe Oriental e fazer aquele sorrisinho que usava para todas as ocasiões, até ficava com um charme muito próprio.

Sem o - abençoado! - por-do-sol de todas as tardes, que a fazia subir até à praia e sentir-se, chorar ou rir, escrever poemas, alguns deles bem apanhados pelas pessoas a quem os dedicava...
Sem as festas dos hambúrgueres que tanto a fizeram rir e chorar, bater nas amigas, perder-se na noite ou simplesmente embriagar-se até se sentir a flutuar.

Sem o baloiço, que agora já não existia, mas que permanece na memória, a cada vez que lá passa. O mesmo onde paravam - sempre - para uma voltinha, de madrugada, ao regressar a casa. Onde se escondera uma vez, perdida de amores, e depois se erguera, pensando "és uma mulher ou és um rato?", e toca de mudar de roupa, largar o vestidinho curto e feminino, colocar as calças de guerra e a velha t-shirt branca justa, para voltar à discoteca e dançar como se não houvesse amanha!

Sem elas, que tinham uma história parecida, vivências iguais, outros amores, dores contidas e gargalhadas sinceras? Com quem fizera promessas esquecidas pelo tempo,mas jamais pela memória.


Sem ela - que está sempre lá para o bem e para o mal - a sua companheira de aventuras, a confidente, aquele que sente as energias da mesma forma e sabe o que lhe vai na alma antes dela mesma o formular.

Seria alguma coisa igual sem aquelas vivências? Conseguiria hoje olhar,pensar, sentir, viver da mesma forma????

Talvez não fosse saudade, aquele aperto,mas uma gratidão tremenda pela generosidade da vida, pela sua capacidade de amar, de trazer para dentro de si tudo o que lhe pertencia e dar-lhe aquele valor...