sexta-feira, setembro 14, 2007

... cheiro de caramelo

Tresandava a peixe, ainda não tinham batido as sete. Lá ia eu, passadeira acima,com a minha avó,a caminho da Lota,procurar entre as sardinhas, carapáus, polvo, conquilha e berbigão, algo que se transformasse num almoço saboroso e em conta. Só depois o peixe seguia para o Mercado, em caixas de madeira transportadas pelos pescadores que discutiam numa literal algarviada incompreensível.

Era assim o Verão na Ilha de Faro. Nada de silêncio,maresia e paz. Ali, ouviam-se os 718 aviões diários, que levantavam vôo à distância de 3 km, o roncar ensurdecedor dos carros,à hora do almoço, com lisboetas de férias à cata do famoso arroz de lingueirão e os gritos incessantes dos meus amigos, surgindo na porta de entrada, a cada 15 minutos.

Só à noite, quando o resto do mundo se recolhia, ficava eu e a minha avó, o som da novela da televisão a preto e branco e o cheiro do caramelo que serviria de cobertura à tarde de amêndoas. Que saudade da tarte de amêndoas!!!!

4 comentários:

Neptuna disse...

:) lembranças boas da minha infância também. a tarde de âmendoas feita pela mãe... tão bom! obrigada por este momento!

Lita disse...

Memórias partilhadas... :)

Por acaso a tua mãe não me arranja a receita da tarte, não?

Neptuna disse...

:)

Arranja, concerteza que arranja! Fica prometido!

Olavo disse...

Nestes pedaços de memória de outrem, que partimos em pequenas migalhas que saborear mais lentamente, revivo momentos tambem eles doces, e relembro pessoas queridas...que nunca esquecerei. Obrigado.