quinta-feira, outubro 09, 2008

A filosofia do Pssst...

Considero-me verdadeiramente leiga neste assunto. Por mais voltas que dê à cabeça (na verdade não perco assim tanto tempo com isso!) não consigo encaixar o como, porquê, ou para quê, de um "Pssst!" de rua, por parte de um desconhecido...

Os assobios, dinossauricos, mas de algum infeliz modo fazendo parte da cultura masculina, irritam-me. Mas percebo-os. Apesar de, na maior parte das vezes, não o verbalizarmos em voz alta, nós, mulheres, também gostamos de olhar e admirar um homem que foi favorecido pela natureza. E até o comentamos entre nós.

Os piropos são verdadeiramente secantes. Porém, apesar de raro, quando ouço um piropo original, criativo, divertido e não ordinário, até sou capaz de sorrir. Devia ser esse o objectivo primário deles... digo eu.

Agora o famoso "Pssst!"...???? O que raios é isto? Recorda-me chamar um gato... ou enxotar um gato... ou uma mosca e esvoaçar à volta do nosso nariz, naquelas tardes de Verão escaldantes em que, saberá Deus porquê, o nosso nariz parece o que de mais apetitoso existe para uma mosca...

É um verdadeiro mistério, o "psst!". Qual o objectivo? Que se olhe? Para quê? Qual a mais valia? A realização? O objectivo esotérico máximo subtilmente escondido atrás de um "Psst!"? Se alguém tiver ideias... agradeço.

4 comentários:

kaila disse...

Para mim,o "psst" também me tira do sério.O meu pensamento é algo do género:
-Coitadinho,que falta de inteligência!...
Embora goste de piropos dos criativos e inteligentes,claro!

Lita disse...

Há falta de qualquer coisa, há. Não sei se é inteligência, mas sem dúvida é qualquer coisa... :)

Sayuri disse...

olha, eu com o 'pssst' nunca reajo,nem dou por ele, porque associo o 'pssst' quando alguém numa tasca chama o taberneiro ('pssst'! há mai tremoço, chefe?!')

Lita disse...

Deve ser mais ou menos isso...