quarta-feira, fevereiro 18, 2009

Desamor

Passei toda a manhã sentada num banco de um tribunal de família, como testemunha de uma mãe a quem o pai n quer dar a custódia (nem sequer conjunta) dos filhos. Acabei por não testemunhar, mas vi e ouvi coisas que, a determinada altura, só me faziam ter vontade de chorar.

As pessoas unem os seus caminhos porque se amam, estão apaixonadas e querem partilhar as vidas.

A determinada altura as coisas mudam, seja por falta de amor, de vontade, de partilha ou pura e simplesmente porque tudo tem um princípio, um meio e um fim. Mas o ressentimento, a dor, o orgulho, seja o que for, não lhes permite aceitar. Não lhes permite aceitar que aquela é a mesma pessoa que amaram,mesmo que a forma não seja a mesma. E querem ferir... preferem ver o outro perder do que ganharem os dois...

Não sei se é o medo, a dor ou o orgulho ferido que o determina. Mas custa ver as pessoas pegarem naquilo que têm de mais sagrado das relações, aquilo que fica e que os une para sempre, e usarem isso para ferir o outro. Usar um filho como forma de manipulação ou de punição do outro é das formas de DESAMOR mais angustiantes que eu conheço.

E sei que é o que acontece na maior parte dos casos.
Não gosto mesmo nada de o saber....

26 comentários:

Hermes disse...

Para mim, que conheço bem demais esses bancos, o desamor advém do facto de as pessoas serem mal formados, más e mesquinhas. E o sofrimento que as paredes de um tribunal de menores encerra, vem também, em grande parte, da raiva e sentimento de impotência que muitos pais e mães sentem perante decisões de juízes a vulso, sem respeito quer pelos pais quer pelas crianças.

Muito teria que mudar para que houvesse justiça neste país. Muito teria que mudar para que um separação não significasse sofrimento desnecessário, mas infelizmente, os valores da nossa sociedade não dão para mais...

Um beijo fada

Lita disse...

Sim, é verdade...
E o grande problemaé o que as crianças sofrem com tudo isso, coisa que muitos pais/ mães não se dão conta na fúria que têm para ferir o/a ex-companheiro/a. Muito triste.
Beijinhos

Sayuri disse...

"...preferem ver o outro perder do que ganharem os" três, porque afinal de contas, será sempre a criança a mais perdedora; aquela que não percebe porque é que o pai ou a mãe não está com ela...

Lita disse...

Sim, é absolutamente verdade! :)

Neptuna disse...

... é, é verdadeiramente angustiante. a mim, essa questão, mais do que nunca, toca-me hoje de uma forma que nunca pensei tocar-me. é profundamente irracional que nestes momentos, o preço a pagar, por quem deixa de amar o outro, seja o sacríficio dos mais pequenos. aqui quem quer ganhar não é o amor, esse já que foi vencido, que dê lugar à magoa e que se propague junto de todos os que estejam por perto. é a visão do ego... nestas alturas só se pode pedir que o bom senso ilumine todos os envolvidos. beijinhos

Lita disse...

Sem dúvida, amiga! É uma situação terrível e deveras dolorosa. No fundo, acho que para todos. Ninguém fica a ganhar... e muito menos o Amor, seja de que forma for...

Alguém disse...

É verdade. Infelizmente é o que mais se vê por aí. Não devia, de forma alguma, ser assim... Enfim...

beijinho

Lita disse...

Pois não, não devia...
Beijinho

Kayla disse...

Um dos lados vergonhosos do ser humano.

Lita disse...

Kayla, um verdadeiro lado sombra...

Hermes disse...

Esse tipo de atitude tem tudo a ver com poder e nada a ver com amor. Quem ama não consegue não pensar no sofrimento. É tão mais fácil odiar do que amar, tão mais fácil desistir do que lutar, tão mais fácil atacar do que perdoar...

Beijo

Lita disse...

Pois é, é mais fácil... estupidamente.
E é tão fácil, no entanto, escolher "ver a luz"... se aceitarmos a dor e pousarmos as armas... só por um bocadinho! :)
Beijocas.

Hermes disse...

O Almada escreveu o Manifesto anti-Dantas, pois a mim só me apetece escrever o manifesto anti- seres das trevas, que povoam o mundo de desamor e vivem das nossas desilusões, contrarie-mo-los, e vamos amar tudo e todos à nossa volta.
Um beijo provoca um beijo, um abraço um abraço e o carinho cria carinho.

Que vejamos finalmente a luz é o meu maior desejo. :)

Beijo

Devaneante disse...

Infelizmente as pessoas são capazes das piores atrocidades...

Marquês de Sade disse...

Parece que não são as mesmas pessoas a quem o amor bateu á porta...

izzie disse...

Lita... é exactamente isso... a luz perde-se por entre o frio, o medo, a dor, o orgulho.
O pior?... perdem-se pessoas, vidas, inocências pelo meio.
Não invejo o teu dia, o teu conhecimento de causa... sabes que mais? apenas espero que todos os que nos cruzemos com este post (e consequentemente contigo) aprendamos com isso.
***

Miepeee disse...

Tenho muito pouco a dizer, ja tudo foi dito.
\Nao percebo como e que pais e maes se comportam desta maneira. Felizmente ate agora tenho tido uma boa relacao com o pai da Bia e espero que continue. E importante que ela saiba que embora os pais nao estejam juntos , respeitam-se.
Beijinho.

Ianita disse...

A corda rebenta sempre para o lado mais fraco... e é triste que quem tem o dever de proteger as crianças é quem mais lhe provoca dor.

As pessoas não entendem que uma pessoa pode não ser um bom companheiro, mas isso não impede que seja um bom pai.

Sofrimento há sempre, porque uma convivência que antes era diária e que terá necessariamente que deixar de ser. Mas podia-se evitar sofrimentos maiores...

Tenho uma amiga que faz questão que o filho passe tempo com o pai. Pior é quando o filho lhe telefona em lágrimas porque o pai o deixou com a empregada o dia todo e afins... É muito difícil... nem sei o que será estar numa situação destas...

Sei, isso sim, que muitas vezes não basta amar. Muitas vezes não basta perdoar. E que sempre quem sofre são as crianças...

Beijos!

Salto-Alto disse...

Eu já assisti a várias situações semelhantes. Faz-nos pensar muito, sem dúvida!

Beijocas!

Lita disse...

Hermes, se cada um de nós tentar ver um bocadinho,pode ser que a coisa se vá compondo... :)

Devaneante, é verdade...

Marquês de Sade, pois parece. E isso é triste...

Izzie, é um excelente desejo. Também o espero... :)

Miepeee, eu vejo a forma como falas do pai da Bia e para mim, tu és um exemplo de ser de luz! :)

Ianita, nós não podemos proteger as crianças do sofrimento, esse surgirá... podemos, pelo menos, não lho infligir inconsequente, que é o que acontece nestes casos. :) Beijinhos

Salto-Alto, pois faz... :)

lilipat2008 disse...

Isso é terrível para os dois e, principalmente, para as crianças...eu cá sou sempre a favor da guarda conjunta...não há nada como ter ambos os pais presentes, desde que ambos tenham condições físicas e morais para isso...

bjitos

Rice Man disse...

Concordo 100% com tudo o que disseste. Parece que o ódio apaga todas e quaisquer recordações boas que possam ter existido na relação. E nem se apercebem que a tentativa de negar a felicidade à outra parte está ao mesmo tempo a minar a sua... O Amor (verdadeiro) é uma força avassaladora... mas o Anti-Amor ou o Desamor é igualmente poderoso e tem a capacidade de destruir vidas (a das crianças inclusive). Espero que não te tenha acontecido nada remotamente parecido com o que descreveste...

Nelson Soares disse...

Não vou comentar muito porque já passei por isso e, como tal, mexe com toda uma história pessoal que, embora resolvida, não merece nem deve (por uma questão de privacidade) ser desenterrada...

Deixo-te apenas o seguinte:

Obrigado por teres um mínimo de sensibilidade para te deixares aperceber de uma realidade tão gritante. É cruel ver as coisas de fora, mas acredita que é terrível a angustia e a frustração que é viver tudo por dentro... Ainda hoje me deixa revoltado, por inúmeras razões...



Stay Well

Lita disse...

lilipat2008, concordo plenamente contigo! :)

Rice-man, este assunto não me envolve (e espero nunca passar por nada igual), mas vejo estas situações e são dolorosas... até para quem apenas as observa...:)

Nelson, obrigado pelas palavras... há mesmo demasiadas pessoas a viver este sofrimento,seja em que posição for. Não deveria ser assim!
Beijos

Dawa disse...

É triste mesmo.
Como é que algo tão bom se transforma em algo tão cruel?!
Beijinho

Borboleta disse...

Pois é lita...o amor é assim meio estranho...segue por caminhos "meio parvos"
Depois tens o reverso da medalha...aqueles casais que se separam e ela só não coloca tudo em tribunal para não criar conflitos e proteger o filho de uma situação dessas! (é o meu caso)
O chato com isto é que nem as coisas andam para a frente, nem as crianças muitas vezes recebem o que realmente merecem...
Divórcios é daquelas coisas que dá pano para mangas...
Beijos