sexta-feira, janeiro 16, 2009

Efémero 2

Eu fazia anos naquele fim de semana. O meu amigo peruano vinha cá dar um workshop fabuloso e dei a mim mesma esse presente. Fazer o workshop. Porque fazia anos e resisti à pressão da família para passar o aniversário em casa, em prole daquilo que realmente queria fazer, senti aqueles dias como verdadeiramente especiais.

Vi-o assim que entrei na sala. Olhei para ele e reconheci-o, apesar de nunca ter visto aquele homem antes. Ele olhou para mim e teve exactamente a mesma sensação. Tive a certeza disso. Uma certeza arrepiante. Sincronisticamente, os lugares eram marcados e ficámos de frente um para o outro, na sala em U.
Impossível não olharmos. Porém, o verdadeiro interesse que eu tinha no trabalho do O., fez-me distrair daquela situação ao longo da manhã.

A hora do almoço chegou e ele veio direito a mim. Num gesto muito mais louco (ou mais corajoso) que o meu, perguntou-me:
- Qual é o teu nome?
- Lita.
- Olá, eu sou o P. É um prazer imenso reencontrar-te nesta vida!
Aquilo deu-me vontade de rir, apesar de saber que ele falava a sério. Tão sério que não conseguiu ficar perto de mim muito tempo e desapareceu, com uma má desculpa. Ainda assim, admirei a sua atitude.

Foi um fim de semana extasiante. Porque estava com duas das minhas amigas muito significativas, porque me redescobri, de uma forma completamente luminosa, porque as sincronicidades não terminavam.
O O. pediu que escrevêssemos um pequeno texto para a pessoa mais significativa do grupo, naquele fim de semana.

Escrevo para ele. Nada de especial, algumas palavras, apenas, que justificassem aquela energia estranha. A intensidade, as memórias que eu não tinha, mas que poderiam,perfeitamente, existir.
Vou dar-lhe o bilhete e percebo que escreveu um para mim.

Assim que o abre e o lê, as lágrimas descem-lhe pelo rosto. Abro o meu.
"Desculpa. Desculpa tanto. Não estava preparado para te ver, hoje. Não estou ainda curado, não o suficiente para conseguir viver sem magoar, sem ser magoado. Ainda assim agradeço..."

Não tentei perceber mais do que aquilo que me quis dar. Havia uma ferida, algures. E eu não fazia parte disso. Sorri-lhe. Tirámos uma foto juntos. Ele ficou com ela.

Nunca mais o vi. Podia ser maluco, ou talvez seja eu a louca. Podia ser um manipulador, como já mo referiram. Não é importante. Sei que o reconheci, de algum lugar. Quem já não teve experiências dessas? E que as mensagens que passámos um ao outro, naquelas 48 horas foram importantes para os dois.

A minha amiga S. comentou que achava que o P. lhe fazia lembrar o S. Francisco de Assis. Eu ri-me. Ele fazia-me lembrar tudo, menos um santo!

20 comentários:

Ianita disse...

A verdade é que há qualquer coisa que nos aproxima a uma pessoa e não a outra... sejam vidas presentes ou passadas, seja o cheiro ou a energia... seja o que for... a verdade é que há qualquer coisa que, para além do que é lógico, nos aproxima mais a uns que a outros... maneiras de ser? Não só, mas também...

Vejo-me a sentir afinidades com pessoas diferentes do que considero serem as pessoas comapatíveis comigo... mas sinto-as e não sei explicar isso...

Embora nunca tenha tido um encontro desses... talvez aos 15 anos... aos 15 anos tive uma coisa à 1ª vista... mas... acho que não é a mesma coisa...

Kisses :)

Fenix disse...

Espantoso aquilo que nos acontece às vezes!
Também tenho essa sensação com algumas pessoas..., como se já as conhecesse, sem nunca as ter visto antes...
Também me sinto meia-louca com isso, porque não encontro explicação racional...
Suponho que haja que aceitar que existem muitas coisas que desconhecemos e que parecem não ter explicação, mas isso é apenas o fruto da falta de conhecimento para o explicarmos.
Tal como na Idade Média consideramvam as trovoadas e os eclipses coisas de deuses...

Compreendo muito bem o que contas e não te chamo louca..., apenas atenta ao que te rodeia..., mesmo ao que escapa ao olhar comum.

Ontem também me aconteceu algo "milagroso
". Acabo de escrever sobre isso no meu blog.

Beijinhos
Fenix

Kaila disse...

Acho essa tua vivência tão espantosa!...
Por outro lado quando penso nisso,fico apreensiva...
porque não aproveitou ele mais um momento nesta vida?
È lindo,mas traz também um rasto de contradição...
Lindo,lindo!...

Lita disse...

Ianita, há coisas às quais chamamos estranhas, bizarras mesmo... mas que no fundo de ti fazem sentido. Ainda que não saibas exactamente porquê!:)
Acho que esta foi uma delas!

Fenix, obrigada pelas palavras... vou ver o teu milagre... :)

Kaila, que estranho seres TU a dizer isso... ;)
Há coisas que temos de estar lá para perceber. Eu acho que ele aproveitou exactamente o que podia daquela situação... :)
E eu - chama-me covarde!!!! - agradeci que assim tivesse ficado!
Beijos

korrosiva disse...

Há experiencias unicas que não se explicam muito bem, mas que certamente todas estamos gratas por acontecerem ;)

Sayuri disse...

Estou indecisa entre gulosamente arrepiante ou assustadoramente apaixonante... :)

Lita disse...

korrosiva, eu fiquei... :)

Sayuri, para mim foi, claramente, assustadoramente apaixonante! :)

poeta_poente disse...

Engraçada como as inicias se conjugam... S e P... coincidência? E daí, talvez não...

Lita disse...

Acho que já percebeste que eu não acredito em coincidências... :)

Alguém disse...

Também não acredito muito em coincidências... As coisas acontecem por alguma razão. E vocês, certamente, teriam de se ter encontrado... E, de resto, não sabem o que vos trará o futuro ;)

beijinho

Nelson A. Soares disse...

Acho de um interesse enorme este tipo de situações, estes sentimentos e pensamentos. Acredito também muito pouco em coincidências, sou mais parecido com um discipulo de Brian L. Weiss, o "para-médico" das vidas passadas.


Stay Well e gostei! =)

Estrela Cadente disse...

Eu cá tb acredito que nada acontece por acaso...ai, ai e estas cenas...deixam-me como que arrepiada...e com um sorriso no rosto porque acho fantástico estas cenas acontecerem, e não termos explicação para elas!Um beijo.

Lita disse...

Alguém, nunca se sabe... :)

Nelson, como te entendo...

Estrela Cadente, a mim também... beijos

Eumesma disse...

Há momentos na vida que valem pela vida inteira. (não sei se esta frase já existe, mas fui eu mesmo que a acabei de escrever, vinda directamente da minha cabecita e dedos ;-)
E isso é a felicidade, porque a felicidade são pequenos peçados da vida como esse , certo?? ;-)

Bjs

Lita disse...

Certíssimo!!!!!
Beijos

Kaila disse...

Acho que me expliquei mal...

Achei maravilhoso ele ter tido a coragem...

Lita disse...

:)
Eu sei que achaste...

Laidita disse...

As tuas histórias são sempre fantásticas, transbordando emoções!

Bjs!

Lita disse...

És tão querida...:)

HihioOKaNani disse...

Eu uma vez reconheci uma pessoa numa fotografia. Foi inesperado, assustador, intenso, mas óbvio, ao mesmo tempo. Nunca me tinha acontecido e nunca mais me aconteceu.