quarta-feira, janeiro 07, 2009

No meio de nenhures II

Mais um dia naquele local deserto...

- Que idade tem? -perguntei distraidamente, enquanto revia os dados que escrevera no papel.

- Tenho 29. - respondeu, e eu não consegui - mesmo - evitar o segundo olhar. Aquela mulher, na minha frente, tinha 29 anos... eu estou prestes a fazer 34 e quando ela entrou na sala, tive quase a certeza de que teria uma idade próxima da minha mãe... mas estava de acordo com a data do BI, que vi mais tarde. Ela tinha mesmo 29 anos.

Claro que reparou no meu olhar.

- Estou muito velha, não é? - perguntou.
Sorri-lhe, sem saber muito bem como agir.
- Há vidas que cansam mais do que outras... - acabei por dizer.
Ela sorriu-me.
- A minha cansa-me desde os 16. - respondeu.

Ficara sem os pais com essa idade e criou, sozinha, os quatro irmãos mais novos. Deixou a escola, evidente. Casou cedo, talvez demasiado cedo... Da união sobraram-lhe três filhos e um coração destroçado.

Trabalhos? Duros, mal-pagos, efémeros. Agora estava desempregada. Ficou-lhe um na memória, enquanto trabalhou como auxiliar numa escola.
- Adoro crianças. - disse, com o olhar iluminado. - Adorava estar ali. Mas pagavam-me a recibos e não tenho a escolaridade obrigatória para poder concorrer. Acha que já sou muito velha?

Espero não lhe ter passado a perplexidade que senti. Quis dizer-lhe que com a idade dela estava a ter a minha primeira filha, que depois disso mudei de emprego três vezes - porque acredito mesmo que nascemos para realizar os nossos sonhos - que alimento algumas loucuras da adolescência, porque me fazem vibrar... e que, às vezes, uma certa loucura, no dia-a-dia, pode ajudar muitíssimo. Que ela tinha toda a vida pela frente, e essa vida era imensa...

Não lho disse. Não desta maneira. Neste caso, realizar-lhe um sonho era tão simples... recordei o post da Sayuri, sobre o poder que nos passa pelas mãos, quando se trata de pessoas, e da responsabilidade que isso trás.

Ela saiu de lá com a sua entrada para a formação que queria, juntamente com a escolaridade que precisava.
E eu saí de lá sentindo-me muito pequena, neste imenso mundo, e muito grata pela vidinha que tenho, e que às vezes me parece tão estupidamente complicada...

21 comentários:

Ianita disse...

"Há vidas que cansam mais do que outras..."

E temos de ter consciência disso.

Todos temos problemas, mas temos de saber que quem está à nossa volta pode ter mais problemas ou problemas piores, de maneira a que os nossos problemas passam a ser meros caprichos e picuinhices...

Uma palavras de incentivo na hora certa pode salvar uma vida... :)

Beijos

Sayuri disse...

O incrivel deste mundo é que, por muito na merda que nós estejamos, há sempre pessoas que estão numa merda maior que a nossa!
(desculpa a linguagem, nem parece meu :))

Skywalker disse...

Habituamo-nos a pensar nos nosso próprios problemas sem lembrar que existem pessoas para quem sobreviver já é um problema.

Beijokas

Kaila disse...

Vidas que cansam mais que outras...
Entendo perfeitamente!

Dawa disse...

Pois é, qdo olhamos à volta vemos que não somos os unicos a sofrer e talvez nem sejamos os que sofremos mais.
Beijinho grande e mantem esse bom coração!

Lita disse...

Ianita, é verdade. ÁS vezes, algumas palavras podem mesmo fazer diferença.

Sayuri, sim, isso há sempre. Definitivamente. Somos privilegiados.

Skywalker, tens razão. Há que dar algum valor a tudo de bom que temos, que somos, que nos é permitido.

Kaila, pois entendes...

Dawa, é um bom exercício de humildade. E gratidão.

Alguém disse...

Este texto impressionou-me mesmo...

Devaneante disse...

Pois é, por vezes precisamos de conhecer outras realidades para percebermos o quão pequenos são os nossos problemas pessoais. Também é interessante constatar a coragem de algumas pessoas que vivem essas realidades.

Estrela Cadente disse...

Oi, não tinha tido oportunidade de mandar um comentário.
Gostei bastante do teu blog, por isso mesmo tornei-me fã :)
Cá nos encontraremos.
Beijos.

Laidita disse...

Há realidades tão diferentes da nossa que às vezes nem nos lembramos... :(

Bjs!

Vekiki disse...

Há vidas muito complicadas!É bom que não esqueçamos NUNCA isso.

Lita disse...

Alguém, a senhora também me impressionou.

Devaneante, é verdade. É preciso muita força.

Estrela Cadente, obrigada... e bem-vinda! :)

Laidita, essa troca permite-nos uma vivência mais consciente, acho.

Vekiki, é isso mesmo! :)

Hélio disse...

São lições de humildade, estas que o Destino nos traz... Parece uma injustiça tão grande, ver a Vida de certas pessoas...

Beijito

Lita disse...

Pois parece... aproveitemos as lições... :)

carol disse...

Fiquei com lágrimas nos olhos. Coitada da rapariga, espero que alcance os seus sonhos. Pelo menos já teve a sorte de se cruzar com algúem como tu.
**

Lita disse...

oh, Carol! ... :)
Eu também espero muito que ela alcance - e expanda - os seus sonhos!!!
beijinhos.

Pedro Barata disse...

Verdade, às vezes queixamo-nos de barriga cheia e nem nos apercebemos do que está à nossa volta...

Lita disse...

Pedro Barata, grande verdade!

Neptuna disse...

é nestas alturas em que nos apercebemos em como Tudo, verdadeiramente tudo faz a diferença..

Neptuna disse...

é nestas alturas em que nos apercebemos em como Tudo, verdadeiramente tudo faz a diferença..

Lita disse...

É uma choque necessário, por vezes, para nos apercebermos disso...