quarta-feira, março 11, 2009

Para o meu vizinho... ;)

A vida é basicamente insegura. Essa é a sua qualidade intrínseca.
Nada pode mudar isso.
A morte é segura, absolutamente segura. No momento em que você escolhe a segurança, sem saber está escolhendo a morte.

No momento em que escolhe a vida, está escolhendo a insegurança.
Com a segurança, com o conhecido, você fica entediado. Começa a ficar entorpecido.
Com a insegurança, com o desconhecido, com o inexplorado, você se sente extasiado, belo, criança novamente — mais uma vez aqueles olhos de admiração, mais uma vez aquele coração capaz de se maravilhar.
Osho

PS. Veio ter comigo hoje. Lembrei-me logo de ti!
PS2. E para todos a quem a mensagem for útil. A mim foi! :)

19 comentários:

Mag disse...

Para mim estas palavras sempre fizeram sentido. A mim, que escolhi viver sem medos (ou tentando afastá-los, não sou imune). Abro as portas ao desconhecido, afinal, só assim se vive.
Já dizia Florbela Espanca, na sua sabedoria de poeta-mulher:
"Eu bebo a Vida, a Vida, a longos tragos
Como um divino vinho de Falerno!
Poisando em ti o meu amor eterno
Como poisam as folhas sobre os lagos..."

Lita disse...

Concordo absolutamente contigo. Os medos existem, mas escolher viver, apesar deles, é um caminho brilhante... com os altos e baixos que tornam a vida significativa.

Adoro Florbela Espanca e esse poema é dos poucos que trazem um ode à alegria: "O mundo, Amor!... As nossas bocas juntas!"
Love it!!! :)

Ianita disse...

Eu vivo no medo, todos os dias.
Tenho medo do escuro, tenho medo de conduzir, tenho medo dos outros, tenho medo do desconhecido, tenho medo de perder os meus... os meus medos andam comigo 24 horas por dia.

Eles existem, fazem parte de mim e não os posso ignorar. Escolho ultrapassá-los... todos os dias, a todas as horas e a todos os minutos. E a cada medo vencido, persisto, avanço, vivo.

Cat disse...

de onde foram retiradas estas frases?
esta realmebnte fantastico

Sayuri disse...

Já achei isso. Depois arrisquei 'viver'...lixei-me à grande! Se soubesse o que sei hoje, tinha-me deixado ficar e tinha era feito um reenquadramento cognitivo à questão. Tinha arranjado tempo para fazer outras coisas que me dessem real prazer. Hoje, não tenho tempo para ir sequer a wc...(estou a falar do campo profissional).

Mas isto sou eu, que funciono como íman para o azar... :)

Lita disse...

Ianita, a essa explicação, eu chamo coragem... Beijos!!! :)

Cat, vieram ter comigo num e-mail marado... gostei! :)

Sayuri,estamos amargas, miga???? Acho que todos nós já nos "lixámos" à grande... mas não conheço pessoas que não gostem de se apaixonar, por já terem sofrido de amor... digo eu! ;)

Pedro Barata disse...

Esse teu vizinho é um felizardo! ;)
Grande Osho, a quem eu já fiz referência no meu cantinho. E este discursozinho dele é bem verdade...
Beijinhos

Lita disse...

Este discurso faz todo o sentido... beijinhos!!!

Andy disse...

Este discurso também me faz todo o sentido, no entanto acrescento apenas que, somos fruto do que vivemos e experenciamos e muitas vezes não passa apenas por escolher viver sem medos. É algo que nos é intrínseco consciente ou inconscientemente e caminhamos passo a passo conforme as nossas experiências positivas ou negativas nos permitiram ser e viver.
Felizes aqueles que escolheram viver sem medos... mas felizes também aqueles que têm consciência dos seus limites, medos e dificuldades, e que ainda assim tal como os outros, têm capacidade de amar e de se maravilhar com as coisas da vida. Bjinhos amiga

Lita disse...

Amiga querida, o que te respondo é que tens absoluta razão. Para esses, então, ainda é mais dificil e mais brilhante a luz que conseguem ver. Mas é o caminho de todos nós, não é, cada passo, um desafio... algo que nos ajude a transcendermo-nos, a sermos cada vez melhores.
Um abraço.

susana disse...

a mim enche-me a alma e os olhos a ideia de que a minha vida pode mudar e estou cá para ela. Sabes eu tneho a teoria de que nada temos que não consigamos de facto aguentar. E se a vida é feita de altos e baixos, temos isso como segura , daí a necessidade de aprendermos a não nos rendermos aos apectos menos positivos. Eu gosto muito de viver= eu gosto da insegurança indefinida do futuro.
beijinho
su

Estreliña disse...

Este blog traz-me cada vez mais "segurança"!! Adoro os teus textos!!

Obrigada, Lita!

Só lamento não poder postar como queria, só porque não tenho tempo!

Beijinhos

Lita disse...

Susana, eu também gosto muito de viver. E de caminhar, mesmo quando tenho medo. A vida acaba sempre por não me desapontar. :)
Beijo.

Estreliña, obrigada!!! Eu também adoro os teus!!! ;)

izzie disse...

Não fosses tu parte de tudo... estas palavras fazem me lembrar uma conversa que acompanhou o chegar da madrugada... =)
Mais q útil... fez-me perceber a minha relação e reacção com a morte desde Junho de 2007.
Beijo

Lita disse...

A mim fizeram-me todo o sentido! Todo!
beijo.

Sayuri disse...

Falava de trabalho (está lá escrito...)! Até parece que não me conheces, tu! :)

Lita disse...

O meu "apaixonar" foi uma metáfora! E é porque te conheço que "posso" meter-me contigo... ;)

Devaneante disse...

É isso mesmo! Viva a insegurança!

Lita disse...

:D