terça-feira, dezembro 30, 2008

Do Amor, ainda sobre o post anterior

ENTÃO Almitra disse:
-Fala-nos do Amor.
Ele levantou a cabeça e olhou o povo; um silêncio caiu sobre eles. E disse com voz forte:
- Quando o amor vos fizer sinal, segui-o;
ainda que os seus caminhos sejam duros e escarpados.
E quando as suas asas vos envolverem, entregai-vos;
ainda que a espada escondida na sua plumagem vos possa ferir.
E quando vos falar, acreditai nele;
apesar de a sua voz poder quebrar os vossos sonhos como o vento norte ao sacudir os jardins.
Porque assim como o vosso amor vos coroa, também deve crucificar-vos.
E sendo causa do crescimento, deve cuidar também da poda.
E assim como se eleva à vossa altura e acaricia os ramos mais tenros que tremem ao sol, também penetrará ate às raízes sacudindo o seu apego a terra.
Como braçadas de trigo vos leva.
Malha-vos até ficardes nus.
Passa-vos pelo crivo para vos livrar do palhiço.
Mói-vos até à brancura.
Amassa-vos até ficardes maleáveis.
Então entrega-vos ao seu fogo, para poderdes ser o pão sagrado no festim de Deus.
Tudo isto vos fará o amor, para poderdes conhecer os segredos do vosso coração, e por este conhecimento vos tornardes um bocado do coração da Vida.
Mas, se no vosso medo, buscais apenas a paz do amor, o prazer do amor, então mais vale cobrir a nudez e sair da eira do amor, a caminho do mundo sem estações, onde podereis rir, mas nunca todos os vossos risos, e chorar, mas nunca todas as vossas lágrimas.
O amor só dá de si mesmo, e só recebe de si mesmo.
O amor não possui nem quer ser possuído.
Porque o amor basta ao amor.
Quando amardes, não digais:
-Deus está no meu coração,
mas antes:
- Eu estou no coração de Deus.
E não penseis que podeis guiar o curso do amor;
porque o amor, se vos julgar dignos, marcará ele o vosso curso.
O amor não tem outro desejo senão consumar-se.
Mas se amardes, e tiverdes desejos, deverão ser estes:
Fundir-se e ser um regato corrente a cantar a sua melodia à noite.
Conhecer a dor da excessiva ternura.
Ser ferido pela própria inteligência do amor, e sangrar de bom grado e alegremente.
Acordar de manhã com um coração alado e agradecer outro dia de amor.
Descansar ao meio dia e meditar no êxtase do amor.
Voltar a casa ao crepúsculo com gratidão;
e adormecer tendo no coração uma prece pelo bem amado e um canto de louvor na boca.

Kahil Gibran, O profeta

11 comentários:

Neptuna disse...

um dos meus livros e autores preferidos. "O amor não tem outro desejo senão consumar-se. " Lindo.. coincidência ou não, estava a precisar que alguém me recordasse deste texto. Obrigada.

Lita disse...

É a minha frase preferida deste texto! :) Também gosto muito dele! Beijinhos

Ianita disse...

Porque assim como o vosso amor vos coroa, também deve crucificar-vos...

:) mas é difícil dar assim a outra face...

Lita disse...

Pois é. É difícil.
:)

Kaila disse...

Como este texto lindo tem também com o outro...

Dualidade...até no amor,e acho que não estamos preparados para que coisas dificeis façam parte de uma coisa boa...
Ninguém nos ensina...somos nós que aprendemos!e nunca sabemos tudo...
Temos de ganhar percepção dos outro e como disseste de nós.

p.s.reparaste que não comentei esta parte:
"Se ouve intimidade,e não me refiro ao físico,ou ao jantar de velas,valeu a pena
.Cumpriu o seu objectivo."

;)

Lita disse...

Queremos o melhor dos mundos... e nem nos damos conta de que só reparamos no dia, porque antes houve uma noite... a dualidade faz parte, aliás, é necessária, para se aceder à totalidade.

E quanto ao resto do teu comentário: não há necessidade de palavras...

Miepeee disse...

Ola, muito obrigada pela visita, volta sempre.
Muito bonito este texto sobre o amor, nem sempre e facil lidar com algumas situacoes, mas no fundo o importante e que tenhamos capacidade de amar e deixar ser amados.
Beijinho.

Hélio disse...

Um texto sublime! A frase "Eu estou no coração de Deus." poderia resumir todo o texto, e não só quando amassemos... nós estamos sempre no coração de Deus, envoltos em felicidade ou em amargura. E, estranhamente, ambas são formas de Amor (difíceis de perceber, por vezes).
Bjs :)

Lita disse...

Miepeee, "deixar ser amados". Parece simples e, às vezes, é o mais complicado.

Hélio, pois são. Tens toda a razão! São ambas formas de Amor. E é difícil,mas nos escassos momentos em que o alcançamos, a visão é magnífica! :)

Mei disse...

"O amor é como o tempo. E o mau tempo também faz parte do bom tempo."

Ouvi isto num filme qualquer. Acho que foi no "Ten Items or Less".

Eu gosto das nossas tempestades, dos nossos furacões. Das chuvas miudinhas. Gosto do nosso vento, dos abanões que nos dá. Gosto do sol que emitimos quando sorrimos um para o outro ou completamos o que o outro vai dizer. Gosto da neblina de certas palavras e do mistério com que cantamos as mesmas canções.
Gosto muito dos nossos tempos, os bons e os menos bons. :)
Let it be love!
Beijinhos doces, Lita. Adoro que passes no nosso cantinho e que por lá deixes a tua presença flutuante e meiga.

Lita disse...

Que bonito comentário, Mei! Que conforto senti em cada palavra... que lindo! Obrigada! E que tenhas sempre o que tens hoje... :)