sábado, dezembro 06, 2008

Se tu viesses ver-me

Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesses toda nos teus barcos...

Quando me lembra: esse sabor que tinha
A tua boca... o eco dos teus passos...
O teu riso de fonte... os teus abraços...
Os teus beijos... a tua mão na minha...

Se tu viesses quando, linda e louca,
Traça as linhas dulcíssimas dum beijo
E é de seda vermelha e canta e ri

E é como um cravo ao sol a minha boca...
Quando os olhos se me cerram de desejo...
E os meus braços se estendem para ti...

Florbela Espanca

8 comentários:

Metade da Laranja disse...

Adoro Florbela Espanca e este é um dos meus poemas preferidos :)
Também gosto muito do "Os versos que te fiz".
Bjitos :)

Lita disse...

Eu também adoro!!! Foi a minha poetisa eleita da adolescência... e ainda vibro, ao lê-la!

kaila disse...

Aiii...este poema nesta tarde,quando a noite mansa que se avizinha

Lita disse...

LOL!!!
... e os teus braços aguardam o estender-se para alguém...

Nelson A. Soares disse...

Adoro Florbela Espanca. Admira-me muito quem não o faz. E acho uma pena que ela não tenha mais reconhecimento nacional e internacional. É um vulto enorme da poesia moderna e apaixonada...



Stay Well

Lita disse...

Concordo contigo. Os poemas dela são únicos, de uma intensidade que vi em poucos poetas.

Patrícia disse...

Adoro este. Como quase tudo dela.

Lita disse...

Como eu.